Pescaria de Traíra

A pescaria de traíra, Hoplias malabaricus, é um peixe bem difundido por todo o continente americano e todas as bacias brasileiras contam com sua presença.

Sua fisionomia é definida por seus ferozes dentes (caninos pontudos), boca bem grande e sua pigmentação da “pele” fica entre um marrom ou um preto com manchas cinza.

As expressões ligadas ao substantivo “traição” exemplificam bem o comportamento desse peixe. Temido pelos pescadores, mesmo depois de pescado, qualquer descuido pode proporcionar ferimentos, por isso, a pescaria de traíra requer bastante atenção.

Como pescar Traíra 

A traíra é um peixe que se atrai por provocações e bastante movimentação. Não adianta jogar a isca e mantê-la na inércia enquanto está submersa. O mais eficaz na pescaria de traíra é movimentar bastante a isca para, assim, atiçar a traíra a dar o bote. A mesma regra vale com as iscas naturais. Leia também sobre o peixe pirara.

É de suma importância, a fim de prevenir qualquer ferimento, o uso do alicate de contentamento. Não espere que ela não tente soltar do anzol e escapar suas mãos mesmo fora da água, portanto, tome as devidas precauções!

traira

Foto: Wikimedia

O alicate de contentamento é imprescindível. Por outro lado, se preferir uma opção que a retirada do peixe do anzol seja mais segura ainda, o alicate de bico é um acréscimo ao de contentamento até por ter uma “pegada” maior do que as mãos que podem deslizar.

Não necessariamente se sua pesca ocorre em lago, açude, represa ou qualquer outra região (que saiba que por lá habita), conseguirá içá-la. Uma das razões para um possível fracasso é o local da água por onde está pescando.

Traíras têm preferências por pontos de menor luminosidade das águas. Então, agregue ao seu conhecimento de pescá-las que locais sombreados aumentarão suas possibilidades de êxito.

Características da Traíra 

Não é um animal marinho com medidas descomunais. Geralmente, seu comprimento está por média dos 60 cm e não é de costume ultrapassar (até mesmo alcançar) 5 kg de peso.

É um ser que se alimenta basicamente de outros peixes de menor tamanho, mas também não significa que a aparição de presas como insetos e sapos seja uma má pedida. São peixes mais ativos durante o verão, por isso, considere isso caso planeje pescá-la.

Lembrando que não são é só esse o fator que determina o ativismo dos peixes. Caso queira entender mais, no nosso site há outra matéria falando sobre a interferência das fases da lua. Leia também!

traira

Foto: Blog do Roberto Moraes

Seu comportamento mediante aos outros peixes e seu espaço demonstra uma espécie territorialista de peixes água doce, ou seja, a aproximação de peixes de outras e da mesma espécie pode eclodir conflitos findados com a morte de pelo menos um!

Habitualmente vive em locais lênticos. Locais lênticos são ambientes cuja água é pouco movimentada ou totalmente parada mesmo. Tais locais lênticos as traíras habitam como represas, açudes e lagoas. Convive bem com regiões de baixo teor de oxigênio.

Para conseguir alimento, as traíras têm como principal meio de ataque, golpes sorrateiros escondidos entre pedras ou por debaixo da lama. Sua carne, embora envolta por uma enorme quantidade de espinhas, tem seu sabor positivamente repercutido entre seus degustadores.

Na fase de se reproduzirem, as traíras reúnem-se em casais para se prepararem à circunstância mais vulnerável da vida tanto do qual está para nascer, quanto do próprio casal: a desova.

Curiosidade: popularmente em algumas regiões, também é conhecida como Tararira ou Lobó.

Iscas para traíra

A isca natural pode ser escolhida entre diversas opções dentre as iscas naturais e iscas artificiais. Entre as naturais se indica cabeça de peixe pequeno, filé de peixe, minhoca ou até o peixe inteiro (de curto comprimento).  A espécie do peixe que atrai a traíra há o lambari, cará, mandi e muitos outros estão disponíveis a serem selecionados para cumprir a tarefa.

Já as minhocas mais provocativas cobiçadas às traíras são as quais sua coloração tem maior contraste.

Enquanto as iscas artificiais são uma recomendável pedida para traíras de maior porte. Iscas artificiais com cores fortes ou escuras; meia-água ou superfície; e as frog (representação de um sapo) estão entre as mais utilizadas.

As cores também merecem destaque, pois sua relevância na pesca vai depender de fatores externos, como a tonalidade da água.

O primordial para conseguir êxito em sua pesca com traíras, seja por meio de iscas naturais ou artificiais, é de relembrar a dica dada acima de sempre irritá-la movimentando a vara e, consequentemente, a isca. Abuse do extinto territorialista da traíra!

Alguns pescadores com certa experiência sugerem deixar livre a ponta do anzol para fixar com mais facilidade a boca do peixe e mantê-la mais presa

isca traira

Foto: Submarino

Foto: Blog do Roberto Moraes


Utensílios para pesca de traíra 

Os artefatos escolhidos para sua pesca devem ser de médio peso (entre 16 a 20 libras). Entretanto, é importante que dê atenção ao tamanho dos peixes, os quais podem variar de acordo com o local que pesca.

Naturalmente, é recorrente, em pescas de traíras o peixe atingir a linha quando afetada pelo anzol e decepar a linha. Também não estranhe de sua isca estar amordaçada depois de algum tempo imersa em água. Seus dentes pontudos são os grandes culpados por essas duas complicações.

Os principais itens para a captura da espécie são: anzol encastoado (anzol amarrado por arame), linha FluoCarbon, linha normal (podendo ser nylon ou multifilamento). O destaque da linha de multifilamento em relação na pescaria de traíra a normal é a resposta mais rápida.

 

Pescaria de Traíra
1 (20%) 1 vote

Leave a Reply